“Fotografamos” com nossos sentidos diariamente tudo o que vemos e percebemos, em absolutamente todos os instantes. E o que acontece é bem semelhante ao que estamos vivendo na era da tecnologia digital. Há apenas alguns anos atrás ao fotografarmos com filmes a adrenalina tomava conta do nosso ser até que os mesmos fossem revelados. Lembro-me quando criança que ao finalizar as 12, 24 ou 36 poses – e ficava feliz quando ganhava 1 ou 2 poses extras -, contava as horas até que as fotos fossem reveladas e curtia uma a uma, incansavelmente.

Hoje as pessoas disparam cliques como se fosse uma metralhadora, megas e mais megas de arquivos digitais são guardados e esquecidos em hard disks, pendrives e nos mais diversos tipos de memórias digitais. A adrenalina foi dissipada proporcionalmente ao número de fotografias digitais tiradas e a nossa mente acostumou-se a pensar menos a cada imagem produzida. É claro que existem exceções como em todas as regras, mas estamos nos portando de uma forma muito parecida.

Natureza Urbana no Morro das Pedras - Florianópolis  || Captured by E.Trauer  || 一期一会

Natureza Urbana no Morro das Pedras – Florianópolis || Captured by E.Trauer || 一期一会

Nossos olhos e demais sentidos captam as vibrações que nos cercam 24/7 dos nossos tempos, mas captam de forma intensa e não necessariamente perceptiva e atenta. Vemos tudo e ao mesmo tempo não enxergamos nada. É quase como o decorar para uma prova no colégio, na universidade ou para concursos. Regurgitamos tudo que está gravado superficialmente em nossas mentes para sempre sem termos a capacidade de lembrarmos alguns minutos após entregar a avaliação. As idéias não foram processadas, não foram pensadas, não foram correlacionadas.

[google1]  agradeço a sua indicação para o google +1. Nesta rede virtual, share is the word! O google +1 ajuda nas pesquisas de assuntos do Google.

Nossos olhos são como câmeras fotográficas, vemos em uma estrutura de composição imagética que pode ser potencializada em detalhes, pode ser ampla ou restrita, pode ser complexa, difusa ou minimalista. Pode contar uma história mas pode também estar completamente poluída com signos, cores e pesos desequilibrados que somente contribuem para aumentar o estresse do dia-a-dia. Somos todos Fotógrafos sem câmeras, mas com olhos, com sentidos e com uma mente poderosa para pensar.

Ruas e Folhas || Captured by E.Trauer  || 一期一会

Ruas e Folhas || Captured by E.Trauer || 一期一会

Você já parou alguma vez para pensar desta forma? Experimente agora pelos próximos 3 minutos, não irá tomar muito tempo do seu dia. Feche seus olhos agora e busque lembrar do que foi visto no dia de hoje até este momento, que informações poderão contribuir para o aumento da sensibilidade criativa nos projetos pelos quais estás envolvido em qualquer área de atuação profissional? Agora, respire fundo busque olhar sem compromisso ao seu redor pelos próximos 3 minutos, observe e faça uso de todos os sentidos possíveis, sinta o aroma, perceba as cores, os sons, a temperatura, as texturas, comece observando o macro de depois passe para o microcosmo, faça o inverso isolando partes do seu campo visual. É um exercício bastante simples de registro, de captação de informações e sentimentos.

Úmida de Amor || Captured by E.Trauer  || 一期一会

Úmida de Amor || Captured by E.Trauer || 一期一会

Este exercício pode ser aprimorado com algumas técnicas de percepção e também fazendo uso da Composição Fotográfica, mesmo sem o equipamento fotográfico em mãos.

Ansel Adams já afirmava que a nossa fotografia é um somatório de tudo o que vivemos, dos filmes que assistimos, das viagens que fizemos, dos livros que lemos, das músicas que ouvimos …  …. e esta é a proposta do dia em que vivenciamos a Criatividade e o Olhar na Fotografia. As técnicas e os exercícios que fazem uso da Fotografia como Ferramenta de Aprendizagem podem ser direcionadas – e são – para que as nossas imagens venham a ser mais pensadas, mais fortes e presentes, com uma história dentro de seus frames, mas também utilizamos esta percepção contínua no desenvolvimento de melhores projetos, de idéias mais criativas, da percepção do sentimento das pessoas que nos rodeiam, como na expressão Zulu que inspirou Peter Senge a escrever o clássico “A Quinta Disciplina“: “Umuntu Ngumuntu Ngabantu” que traduzindo temos: “Uma pessoa só é uma pessoa por causa das outras pessoas”. É como uma filosofia da Tribo Zulu, simples e forte – #SimplesAssim.

Gaivota na Barra da Lagoa || Captured by E.Trauer || 一期一会

Criatividade e o Olhar na Fotografia terá sua primeira Edição de 2014 no próximo dia 15 de março em Florianópolis e tem vagas limitadíssimas com não mais do que 12 participantes e um deles pode ser você!

Veja o roteiro em Você faz uso da sua Criatividade? e formalize agora a sua inscrição. 2013 foi o ano do lançamento desta modalidade e tivemos 3 turmas que você pode conferir neste álbum da FanPage.

Folhas … Folhas … | Captured by E.Trauer || 一期一会

Kss and hugs, nos vemos lá!

 

Faça já a sua inscrição!

Captured by E.Trauer  || 一期一会

Natureza Urbana || Captured by E.Trauer || 一期一会

Captured by E.Trauer  || 一期一会

Ponte D’Oro 01 || Esta Fotografia Fine Art pode ser sua. Série numerada e assinada disponível para aquisição.

Captured by E.Trauer  || 一期一会

Salva Vidas || Captured by E.Trauer || 一期一会

Captured by E.Trauer  || 一期一会

Good Luck || Captured by E.Trauer || 一期一会

Captured by E.Trauer  || 一期一会

Vida após a morte || Captured by E.Trauer || 一期一会

Captured by E.Trauer  || 一期一会

Good Luck II – Captured by E.Trauer || 一期一会

Leave a Reply