Tag

Estratégia Archives - eTrauer

Sabedoria ao utilizar o Cubo de Mercado

By Conhecimento, Criatividade, Cubo de Mercado, Cubo de Mercado, MarketingNo Comments

A ferramenta estratégica Cubo de Mercado, que já foi apresentada aqui no Blog, é relativamente simples de ser trabalhada e muito interessante porque não depende de um investimento elevado para seu desenvolvimento, podendo assim ser utilizada por micro e pequenos empreendedores.

Tanto os Eixos de Oferta quanto de Mercado devem ser desenvolvidos em paralelo, onde a cada nova informação a relação entre ambos é fortalecida. Para as idéias novas, que estarão explícitas no Eixo da Oferta [composto por Idéias, Serviços e Bens] seu fortalecimento e desenvolvimento se dará a partir das considerações feitas pelas descobertas das características informacionais dos consumidores integram o Eixo do Mercado [Consumidores, Necessidades e Satisfações].

Desenvolver as informações sobre os consumidores Não é somente citar que os mesmos integram determinadas Classes Sócio-Econômicas, mas principalmente descrever seus comportamentos, suas informações psicográficas, atitudes, hábitos e emoções. Desta forma somos direcionados ao conhecimento mais aprofundado de um segmento em potencial que, quando relacionado à idéia do Eixo da Oferta, possibilitará novas descobertas e hipóteses relacionadas à Satisfação de Necessidades relacionadas o novo Bem ofertado. Quando uma Necessidade é suprida, as pessoas tendem a ter, sentir e esboçar Satisfação e é este sentimento que será descrito no Eixo da Satisfação.

Percebam como o processo é integrado e completamente interdependente. Agora, para o melhor desenvolvimento desta Ferramenta Estratégica, é fundamental que o(a) usuário desenvolva o mesmo com Sabedoria e Criatividade.

Não existem fórmulas prontas. Bom trabalho!

Cubo de Mercado – Introdução

By Conhecimento, Cubo de Mercado, Cubo de Mercado, Marketing, PhotoOne Comment

Uma das melhores ferramentas mercadológicas que utilizo é o chamado “Cubo de Mercado“, muito bem abordado por Rafael Sampaio e Marcos Felipe Magalhães em seu livro Planejamento de Marketing da Editora Pearson.

Como gosto muito de entender e explicar marketing através da evolução das sociedades, geralmente inicio o raciocínio em aproximadamente 470 aC na até então conhecida origem da Retórica em Siracusa [Sicília] com Corax e Tisias no convencimento dos juízes populares acerca dos bens confiscados por soldados mercenários e seguimos até os dias de hoje.

Porém é interessante também pensar no momento em que os homens das cavernas iniciaram seus processos de trocas visando alimento e proteção através ‘roupas’, a base das relações que temos hodiernamente pelos valores monetários [$] e também um alicerce da conhecida mas não tão bem interpretada por todos Piramide de Maslow.

Seguindo o raciocínio de Sampaio, “o Marketing tem, necessariamente, de ser EntendidoPensadoPlanejadoExecutado a partir da perspectiva de uma série de quatro ‘Sistemas de Mercado‘: CivilizaçãoSociedadeEconomiaUniverso Empresarial.”

Sistema Antropológico está diretamente conectado com a herança histórica do local em questão, seja ele país, região, área ou mercado em que as ações mercadológicas estarão agindo e e provém da própria estrutura da civilização.

Já o Sistema da Sociedade, como o próprio nome denota, engloba as “particularidades e as relações dos estamentos que constituem um grupo social em particular definido dinamicamente [ressalta-se: Jamais isolados ou imóveis]. A inferferência de uns sobre os outros é constante, como são permanentes os processos de evolução de cada um e dos conjuntos.”

Sistema da Economia, como expõem brilhantemente Sampaio (2007) “tem a ver com a supra-estrutura da economia, suas forças e fraquezas, o volume de produção, a renda gerada e disponível, o grau de desenvolvimento e a posição competitiva relativa de cada núcleo econômico dentro do país, do bloco, do continente e do mundo.”

Por fim, temos o Sistema do Universo Empresarial, em que o uso do Marketing depende das “dimensões e do grau de amadurecimento da estrutura empresarial de cada mercado, no geral, e da empresa ou instituição que o empregará, em particular.”

Como conseqüência direta desses sistemas, percebemos que os mercados são constituídos por quatro Camadas Competitivas [que torna ainda mais interessante a compreensão da quintessência do que conhecemos por Marketing]. É interessante pensar que agem como a estrutura da pele para o nosso corpo. Fica mais uma dica de correlações entre Marketing e formas de gestão com a Natureza, Ambiente e Organismos Vivos.

As quatro camadas, de fora para dentro são: Cultura,ComportamentoConsumo e Competitividade no seu núcleo.

Todas essas camadas recebem influências dos Ambientes não controláveis pelos gestores: Ambiente Econômico, Ambiente tecnológico, Ambiente político e legal, Ambiente demográfico e sociocultural e também o Ambiental (meio ambiente mesmo – Natureza).

Na grande maioria das vezes – quando o Marketing é ‘ensinado’ nas universidades – a metodologia segue o Kotler como livro texto, estudando seus conceitos didáticos de cada uma dasa fases e características do Marketing. Neste ponto vale uma reflexão da qual assumo toda a responsabilidade, pois é a forma como percebo a Orientação de Marketing:

Em um primeiro momento, entender marketing significa que devemos buscar a sua origem, mesmo em tempos onde os conceitos ainda não estavam formulados e, para tanto, iniciamos com as informações presentes no início deste ‘post’. Entendendo a evolução das sociedades e relacionando suas características fica muito mais fácil de compreender as influências múltiplas que se sintonizam com os conceitos mercadológicos. Os conceitos de Kotler, nesta ótica, ficam como apoio à compreensão da realidade e o Marketing deixa de ser meramente teórico para fazer parte da evolução da civilização. Não existem receitas, não existem fórmulas, mas sim desafios à inovação, à interpretação e à criatividade na implementação de idéias.

Marketing é um estado de espírito, uma mentalidade, uma forma de pensar que, necessariamente, leva a uma filosofia, uma política, um programa de ação.”
José Whitaker Penteado

Why Foursquare is the Most Important Channel in Your Media Mix

By MarketingNo Comments

Vale a visita no Interbrand Blog para conferir detalhadamente os 4 grandes motivos que levam o Foursquare a ser um bom complemento ao Mix de Estratégia Mercadológica das organizações.

Social + competitive + opt-in + location-based = a seriously winning competition

Detalhes sobre as suas características:

  1. It’s Social
  2. It’s Competitive
  3. It’s Opt-in
  4. It’s location based

“Foursquare has a unique edge in this competition space by building interaction and reward to be automatic – you get something for nothing, pretty much. If I’m going to a bar anyway, why not get some points? If I might get surprised with a deal or fun badge, why not? If I get ousted as Mayor of my favorite bar–I’m going to fight for it. Why not? Together, these are more powerful than they might seem. The low-barrier-to-entry “why not” factor + the emotionally charged, something-for-nothing incentive make it super easy to play—and super habit-forming.”

Bens, Serviços e Idéias

By MarketingNo Comments

O marketing teve “sua disseminação” || se é que podemos afirmar isto || na observação do fluxo das chamadas na época de verdadeiramente commodities, onde no final do Século XIX basicamente só a variável Preço era trabalhada. Lembramos que em meados do Século XX o mundo conheceu a denominação Mix de Marketing com as Variáveis até então controláveis do Marketing || Produto/Serviço; Preço; Comunicação e Canais de Distribuição ||.

O termo commoditie aparece inicialmente em publicações do Século XVIII, citados por Adam Smith como produto homogêneo, intercambiável entre fontes produtoras e que teriam um dito equilíbrio ideal entre oferta e demanda em um determinado momento, segundo Smith apud Magalhães, 2007.

Com a evolução da tecnologia e das técnicas de comercialização até mesmo as commodities começaram a receber valores agregados para fortalecer sua competitividade, VALORES AGREGADOS estes que merecem especial atenção em todo o universo de Produtos e Serviços.

Vale a reflexão: “que atributos, se adicionados, transformados ou eliminados, poderão aumentar a atratividade e a competitividade de nossos negócios?”

Partindo-se desta premissa, começamos a pensar em Vantagem Competitiva Sustentável e também no tempo em que esta nova Vantagem Competitiva Sustentável poderá ser sustentada em nossos negócios.

Sampaio e Magalhães (2007) sugerem o conceito de Cubo de Mercado através da expressão Oferta como função de (Produto + Serviço + Idéia).

Para esta compreensão é fundamental estar de acordo com a linha de raciocínio de que não existe mais um produto ou oferta que venha a ser unicamente de um bem físico, pois todos trazem consigo uma dose menor ou maior de SERVIÇO complementar e de uma IDÉIA diferenciadora.

Chegamos assim à expressão Produto = Bens + Serviço + Idéia [todos os produtos têm caractarísticas tangíveis, que se somam às características intangíveis e aos diferenciais conceituais].

Quando formos pensar na Idéia, deveremos lembrar do seguinte questionamento:

Qual é a idéia por trás do Produto?

Quando formos pensar em Serviço, deveremos lembrar de:

Quais serviços agregaram valor aos bens em cada um de seus processos de concepção e produção?

Agora, vamos seguir o raciocínio estimulado por Adam Smith em A riqueza das Nações:

O consumo é o objetivo final e o propósito de toda a produção.”

Mercado = Satisfação x Necessidades x Consumidores

onde:

Satisfação está diretamente relacionada à “aderência do desempenho dos atributos relevantes percebidos pelo consumidor em relação à sua própria expectativa e na compensação adequada das frustações ocorridas no processo de compra e/ou consumo.” (Sampaio, 2007, p. 165)

O Conceito de Cubo de Mercado:

Cubos de Mercado – na ótica de Sampaio (2007, p. 165), são “conjuntos de expectativas de desempenho dos atributos tangíveis, intangíveis e conceituais de cada produto, que visam satisfazer da melhor maneira as circunstâncias das necessidades de grupos identificados de consumidores.”

Desta forma,

B + S + I = Sa x N x C

E seguimos em frente com uma ótima defininção do mesmo autor, que está no livro Planejamento de Marketing: Conhecer, Decidir e Agir – do estratégico ao operacional, publicado pela Editora Pearson – Prentice Hall:

“Uma mercadoria pode ter preço baixo e ser cara, ou ter preço alto e ser barata. A percepção de caro ou barato ocorre quando a relação entre o preço e o valor de um produto ou serviço NÃO é JUSTA, e o valor oferecido é maior ou menor do que o custo exigido.”

É possível CRIAR valor??

Sim, basicamente de três formas:

  1. fazendo as mesmas coisas de uma maneira melhor;
  2. fazendo coisas novas e/ou
  3. fazendo as mesmas coisas, mas agregando novos serviços ou novas idéias, de maneira intrinsecamente nova!

Para chegarmos no conceito interessantíssimo de Matriz de Marketing, faz-se necessário Mapear Integralmente a Cadeia de Atividades:

  • Existem, pela reconfiguração das atividades relacionadas ao produto básico, oportunidades de atividades complementares, acessórias, adjacentes ou novas a ele?
  • Existem atividades que estão fora da cadeia primária, mas que se associam a ela?
  • Existem oportunidades de adicionar serviços no tempo (antes, durante ou depois da venda) do produto básico?
  • As atividades de pós-venda referem-se apenas à transação passada ou valem-se das novas circunstâncias criadas com o uso e/ou consumo decorrente?

.. e agora, as Grandes decisões sobre:

FORMATAR

  • O que devemos oferecer ao mercado?
  • Que atributos devem ser incorporados aos bens ou serviços ofertados?
  • Que soluções podem ser agregadas ao processo total?
  • As plataformas de produtos ou serviços atuais permitem a introdução de serviços em outros contextos?

VALORAR

  • O que agregar ao produto ou serviço e a seus atributos que possa aumentar seu valor percebido pelo mercado?

DISPONIBILIZAR

  • Como fazer o produto ou serviço ser mais disponível e mais conveniente ao mercado?
  • Os produtos ou serviços podem ser atualizados ou expandidos mediante soluções virtuais?

COMUNICAR

  • O que comunicar?
  • O que valorizar?
  • Como atingir e convencer os integrantes do mercado visado?
  • A reputação da empresa na cadeia primária pode ser estendida a outros contextos?

Nos próximos Posts, chegaremos na Matriz de Marketing.

Forte abraço e até breve!

O referencial destas informações constam em Planejamento de Marketing: conhecer, decidir e agir – do estratégico ao operacional, dos autores Marcos Felipe Magalhães e Rafael Sampaio, publicado pela Editora Pearson – Prentice Hall.